Marcadores

sábado, 2 de junho de 2012

O ZORRO E LONE RANGER


saiba diferença entre lone ranger e zorro que no brasil lone ranger que deveria ser cavaleiro solitario por um erro estupido ficou por muitos anos conhecido pelo mesmo heroi capa e espada o zorro que siguinifica raposa Lone Ranger é um famoso cowboy fictício do rádio, cinema e televisão. A palavra Ranger causou dificuldades de tradução já que o significado original (policial do Texas) não fazia sentido em português. Nas versões mais recentes, o cowboy é chamado de "O Cavaleiro Solitário", mas em Brasil ficou conhecido durante muitos anos pelo nome de Zorro (outro personagem, herói de capa e espada), dada a máscara negra que nunca tirava do rosto. Seu eterno companheiro é o índio Tonto, cujo nome foi mantido na tradução, mesmo sendo uma palavra pejorativa em português (significa algo como trapalhão ou desajeitado), que não tem nada a ver com o personagem, um valoroso combatente dos fora-da-lei. The Lone Ranger foi criado por George W. Trendle e equipe, e desenvolvido pelo escritor Fran Striker. Além da máscara negra e do companheiro índio, Lone Ranger possuia um belo *cavalo branco chamado Silver, famoso pelo grito que o herói dava ao se despedir à galope em direção ao horizonte: "Hi-yo Silver, away!". O nome do cavalo de Tonto era Scout. Nos quadrinhos, Lone Ranger tinha pontaria certeira com ambas as mãos, e sempre usava balas de prata, fundidas em uma mina própria desconhecida, herdada de um velho mentor. Nunca atirava para matar, preferindo desarmar seus oponentes com tiros certeiros em suas pistolas. Apesar da máscara, Lone Ranger nunca era perseguido pelas autoridades

Origens

A primeira transmissão de "Lone Rangers" ocorreu em 30 de janeiro de 1933, no canal de rádio WXYZ de Detroit, Michigan. O nome do policial era Reid, mas depois foi alterado nas versões posteriores. Tonto, um provável apache, era seu amigo de infância. Os dois se reencontram na idade adulta, quando Tonto salva Reid de índios renegados ao reconhecer um anel que ele dera ao seu amigo na infância. Essa versão também foi alterada. Reid resolve usar a máscara para se vingar de criminosos que assassinaram seus companheiros Rangers, para que os vilões continuassem a pensar que ele havia morrido. A última transmissão de rádio do Lone Ranger foi em 3 de setembro de 1954.
Mas o heróico cowboy se tornaria conhecido internacionalmente graças a série de cinema e TV estrelada por Clayton Moore, que foi produzida de 1949 a 1957. No cinema, os filmes foram produzidos pela Republic Pictures. Moore foi substituído por John Hart no período de 1952-1954. Jay Silverheels era o Tonto. Em 1956 e 1958 Clayton Moore realizaria dois filmes com seu personagem. Em 1961 a CBS lançou um piloto para outra série de TV, chamado Return of the Lone Ranger, estrelado por Tex Hill. Em 1981 foi lançado o filme The Legend of the Lone Ranger, considerado um fracasso

Quadrinhos

O Lone Ranger foi distribuído como tira de jornal pelo King Features Syndicate, de 1938 a 1971. Inicialmente desenhado por Ed Kressy, foi substituído em 1939 por Charles Flanders que se manteve até o final. Em 1981, houve outra tira escrita por Cary Bates e desenhada por Russ Heath, que durou até 1984. Em 1948 a Dell Comics lançou a revista em quadrinhos, que teve 145 edições, com reproduções das tiras dos jornais, mas também com produção inédita. Em 1962 a Gold Key Comics continuaria com as revistas até 1977. Tonto teve sua revista própria em 1951, que teve 31 edições, assim como o cavalo Silver, lançado em 1952 com 34 edições. Foram ainda lançadas 3 (três) Anuais e uma adaptação do filme de 1956. No Brasil, o material foi publicado pela Editora Ebal na revista Zorro, até meados dos anos 70, sempre com grande sucesso.

A HISTORIA DO ZORRO CAPA E ESPADA

Zorro

Zorro é um personagem de ficção, criado pelo escritor Johnston McCulley. Ele é apresentado como o alter-ego de Don Diego De La Vega, um jovem membro da aristocracia californiana, no período em que a região era colônia espanhola (até meados do século XIX).
Após longo período de educação na Europa, Diego retorna à Califórnia e passa a defender os "fracos e oprimidos", sob uma máscara e uma capa negra, empunhando uma espada e cavalgando um cavalo igualmente negro de nome "Tornado". Sem o disfarce, ele simula ser um homem que se acovarda diante de situações de perigo.
A figura passaria a ser chamada de "Zorro" pela população, porque seus movimentos e sagacidade lembrariam uma raposa (a tradução em português da palavra espanhola "zorro"). O próprio personagem adota a letra "Z" como sua assinatura (através de três linhas cruzadas), marcando-a com sua espada em paredes e nas roupas de seus inimigos, como sinal de sua passagem.
Johnston McCulley teria se inspirado em personagens históricos da América Latina, tradicionalmente ligados a movimentos conhecidos como "banditismo social", e destacadamente nas figura de Joaquin Murietta (que teria inspirado o sobrenome da mais recente representação cinematográfica de Zorro, Alejandro Murietta) e Salomon Maria Pico e em heróis da ficção que se disfarçavam através de capuzes: Scaramouche e Pimpinela Escarlate.
Zorro tem sido apresentado em mídias diversas e em diferentes caracterizações, em versões nem sempre correspondentes à original. Por este motivo, o personagem é considerado um ícone menor da cultura pop, aparecendo no cinema, em programas de televisão e em histórias em quadrinhos. Zorro também pode ser considerado como um herói "capa-e-espada", ou seja, um representante de um gênero menor da ficção norte-americana conhecida como Swashbuckler.

Versão em quadrinhos

As histórias de Zorro foram adaptadas aos quadrinhos em versões várias e em momentos diversos nos EUA, ainda que sua difusão internacional tenha se dado predominantemente pela televisão e pelo cinema.

No Brasil

Na década de 1970, duas editoras brasileiras publicaram as histórias do Zorro em História em Quadrinhos. A primeira foi a Editora Abril, que publicou as histórias criadas por Walt Disney (visto que a editora brasileira detinha os direitos de publicação de todos os personagens Disney e Zorro era um deles) com base em sua série de TV, estrelada por Guy Williams. O slogan da capa era "Zorro, o verdadeiro", de Walt Disney, assemelhando os contos a sua televisiva série. alguns números tinham roteiros de Primaggio Mantovi desenhos de Rodolfo Zalla.[1] A outra foi a Editora Brasil e América (conhecida como EBAL), do Rio de Janeiro, através de um acordo com a Societé Française de Presse Illustrée. Embora as histórias lembrassem a série de TV (havia o Sargento Garcia, mas menos bobo e ingênuo, e mais corajoso; e Bernardo, o criado de Don Diego de La Vega/Zorro, não era surdo-mudo, e falava), o tom das intrigas eram de um teor mais adulto, e muitas vezes, dava-se a impressão de ver um filme tenso e dramático de Capa & Espada aos moldes europeus, ou ler um conto de Alexandre Dumas. Os traços dos personagens já eram mais rústicos,desenhados por J.Pape.Para não haver confusão, a EBAL publicava na capa Zorro Capa & Espada, para diferenciar do "Zorro" caubói (verdadeiramente conhecido como The Lone Ranger, ou "Cavaleiro Solitário"), que a editora também publicava na mesma época. Em meados dos anos de 1980, a EBAL encerrou suas publicações.Em 2006, no Brasil, a editora Panini Comics publicou a minissérie Fugitivos em 4 revistas mensais com o título de capa Zorro, originalmente publicada pela Zorro Productions. A história mostra Zorro e uma mulher chamada Eulália que vagam por diferentes lugares. Eles ajudam pessoas que encontram em seu caminho, fogem do Comandante Enrique Monastério, e formam uma relação amorosa.Em 2007 a Telemundo em parceira com a Sony,criou a primeira telenovela do Zorro:"Zorro la espada y la rosa"baseada no livro "Comieza a lenda" de Isabel Allende,exibida no Brasil pela Rede Record de Televisão. A novela é uma obra primorosa e conta com atores de várias nacionalidades entre eles mexicanos,argentinos,venezuelanos,colombianos,entre outros... A telenovela se passa nos anos 1800 no México, na Espanha e na Califórnia dos dias de hoje. Na história, o cruel governador Fernando Sanches de Moncada arranja o casamento de uma de suas filhas, Esmeralda, uma moça rebelde que sempre sonha com um amor verdadeiro. Ela irá se casar com o inescrupuloso Ricardo Montero, comandante da Guarda de Los Angeles. Mas Esmeralda gosta mesmo é do charmoso Diego, o único filho de Alejandro de La Vega, um poderoso fazendeiro. Diego é tido por todos como covarde e irresponsável. Mas essa é apenas uma artimanha para esconder sua verdadeira personalidade: um justiceiro mascarado que usa sua espada em defesa dos mais fracos, capaz de arriscar seu grande segredo pelo amor de uma mulher. zorro e intrepertado por antonio banderas no filme.

Curiosidades

  • No conto original de McCulley não existe originalmente a marca do "Z". Além disso, o nome do personagem Sargento Garcia (consagrado na versão de Zorro produzida pelos estúdios Disney para a televisão) é Gonzáles e no último capítulo intitulado "Que bobagem", o herói revela sua identidade.
  • Douglas Fairbanks
  • foi o primeiro a interpretar Zorro no cinema, responsável por inaugurar as características que a partir de então identificariam o personagem: (a espada, o chicote, a máscara e a sua famosa marca "Z"). Os filmes, do cinema mudo, foram: A Marca do Zorro (1920) e O Filho do Zorro (1925).

  • A produção original foi refilmada com Tyrone Power em 1940 e para a televisão, com Frank Langella, em 1974. Entre 1951 e 1974, vários filmes foram realizados na Europa - o melhor foi "Zorro" de 1975, com Alain Delon. Em 1981, George Hamilton protagonizou a sátira "As Duas Faces de Zorro". Em 1998, Steven Spielberg produziu a superprodução "A Máscara do Zorro", longa-metragem com a brilhante direção do diretor Martin Campbell ("007 Contra Goldeneye"), protagonizada pelos astros Antonio Banderas, Catherine Zeta Jones e Anthony Hopkins. E em 2005 foi feita a continuação com o título A lenda do Zorro
  • Em 1937, os estúdios Republic Pictures lançaram o herói em um seriado com episódios de 20 minutos, exibidos semanalmente nos cinemas. Nos cinco anos seguintes, foram realizados outros quatro seriados, com destaque para "A Legião do Zorro", de 1939.
  • Entre 1981 e 1983, os estúdios Filmation produziram a primeira série animada do personagem, As Novas Aventuras de Zorro. Já a Warner Bros., atualizou a fórmula com novas técnicas de animação e cores vibrantes e produziu, em 1997, outra versão animada.
  • Em 1958, a Walt Disney lançaria a versão mais famosa de Zorro: a série com Guy Williams Por vários fatores, quase que o projeto não acontece. Mas por ironia do destino, ainda em 1957, quando Walt Disney montava a sua Disneylândia, as negociações com a Rede ABC foram fechadas e no ano seguinte, Zorro entrava no ar.
  • No Brasil, errôneamente, o personagem Lone Ranger (cavaleiro solitário) foi rebatizado de Zorro quando exibido na TV e no cinema, criando uma grande confusão no país sobre quem era o verdadeiro Zorro. Mas, tirando a máscara, o Cavaleiro Solitário possui poucas semelhanças com o real Zorro - o cenário é os Estados Unidos, nos tempos dos vaqueiros ("cowboys") que lutavam contra os donos originais da terra, os índios. Aliás, o fiel companheiro e amigo do Zorro, que monta no cavalo que atende pelo nome de Silver ("prata", em inglês) é o índio Tonto.
  • Um outro clone do Zorro - desta vez criado por um espanhol - chamado El Coyote fez muito sucesso no Brasil em uma série de livros de bolso. O sucesso foi tão grande que abriu o mercado para os livros de bolso de Western no país, mercado que durou com força até meados da década de 1990. "El Coyote" é muito semelhante ao Zorro, mas age na California do século XIX, quando a região deixou de ser mexicana para se tornar estadunidense.

                            

Nenhum comentário: