Marcadores

quinta-feira, 17 de maio de 2012

O Amigo da Onça cartoon

O Amigo da Onça as cartoon os desenhos humor e logo abaixo um pequeno texto sobre o criador do amigo da onça































 


O Amigo da Onça




É imperdível, a galeria de O Amigo da Onça que se pode apreciar visitando um endereço recebido de mão amiga, onde se reune uma quantidade significativa de cartoons que fizeram história na revista brasileira O Cruzeiro.
Mas quem foi O Amigo da Onça? Passamos a palavra ao nosso amigo (e companheiro de risco) Lailson de Holanda Cavalcanti, traduzindo do seu livro "História del Humor Gráfico en el Brasil" (Editorial Milénio - Lleida, Espanha):
Como surgiu o nome
 «A mais importante personagem da história do humor gráfico brasileiro do século XX é, sem dúvida, O Amigo da Onça, criado por Péricles de Andrade Maranhão, desenhador pernambucano nascido na cidade do Recife em 1924. A expressão "amigo da onça" provém de uma anedota popular na qual dois amigos se encontram e começam a falar de caça. O primeiro pergunta:

- Compadre, se estivesses na selva e te aparecesse uma onça, o que farias?
- Pegava na minha carabina e disparava um balázio.
- Mas, se não tivesses carabina?
- Utilizaria a minha pistola
- E se não tivesses pistola?
- Usaria uma navalha
- Mas, e se não tivesses navalha?
- Trepava para cima de uma árvore.
- E se não tivesses uma árvore perto?
- Um momento, compadre...! Tu és meu amigo ou és amigo da onça?
Como surgiu o cartoon
Leão Gondim de Oliveira era director da revista O Cruzeiro no final dos anos quarenta e teve a ideia de criar uma personagem similar ao argentino Enemigo del Hombre, titulada O Amigo da Onça.
Leão promoveu um concurso interno entre os desenhadores da revista que dirigia e os de outras publicações como A Cigarra.
O vencedor do concurso foi um jovem desenhador que já tinha publicado historietas da personagem Oliveira o Trapalhão na Cigarra.
Com a nova personagem de grandes olhos, bigode e roupa de bon vivant, Péricles converteu-se subitamente no desenhador humorístico mais famoso do país, com apenas 19 anos de idade.
O Amigo da Onça representava um humor simples, quase naïf, mas o traço era de um perfeccionismo absoluto. A linha clara de Péricles e o colorido aplicado ao desenho, que semanalmente preenchia uma página, foram um êxito imediato.
.
Ser feliz com a desgraça dos outros
 O protagonista estava sempre a colocar alguém em situação difícil, mas saía sempre airosamente. A desgraça dos outros era a sua felicidade.
O êxito do Amigo da Onça foi absoluto em todo o Brasil: máscaras de carnaval, bonequitos e reproduçõoes diversas apareciam em todas as casas e em todos os locais, embora Péricles nada recebesse por isso.
Na sua vida pessoal, o artista não era propriamente feliz. Alcançou o êxito muito cedo, quando era pouco mais do que um menino que abandonara o Recife para tentar a sua sorte no Rio de Janeiro, depois de vencer um concurso de desenhos para cartazes do departamento de trânsito da sua cidade. Como não tinha obtido nenhum curso superior, a sua educação era incompleta e isso, provavelmente, fá-lo-ia sentir-se inferior aos outros jornalistas de O Cruzeiro. Procurava sempre a companhia da gente do povo, não a dos intelectuais ou dos literatos.
 Estêvão continuou
O alcoolismo foi outro problema constante que afectou a sua vida conjugal, acabando por destruir o seu casamento. Na noite de Ano Novo de 1961, suicidou-se. O seu amigo Carlos Estêvão foi encarregado pela revista de dar continuidade a O Amigo da Onça, mantendo sempre ao lado da sua assinatura a nota: "Uma criação imortal de Péricles».



Nenhum comentário: